fbpx
22.7 C
Tomar

“Achei que as pessoas precisavam de poesia como de pão para a boca”

Relacionadas

Creactivity Bus em Tomar de 10 a 14 de maio

O Creactivity Bus é uma iniciativa da Educaixa (parceria do BPI e Fundação "la Caixa") e vai...

Lurdes Ferromau Fernandes: “Sinto necessidade de dar o meu contributo para mudar o paradigma do que se quer para Tomar”

Esta semana, o Jornal e Rádio "Cidade de Tomar" falaram com a candidata do PSD à Câmara...

Reativada a recolha de papel e cartão no concelho

Já foi reativada a recolha de papel e cartão em todos os restaurantes, hotelaria e comércio do...

Ténis Clube de Tomar concluiu as competições na fase regional de Interclubes

O Ténis Clube de Tomar realizou, no passado fim de semana, três encontros com as suas equipas...
Elsa Ribeiro Gonçalves
Elsa Ribeiro Gonçalves
Nasceu em Tomar em 1976. Licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social do IP Lisboa. É jornalista desde 2005, sempre na imprensa regional. Mãe de uma menina, a escrita e as viagens são as suas outras grandes paixões.

Nos últimos tempos, o poeta e escritor Nuno Garcia Lopes entrega
poemas quentinhos ao domicílio todas as manhãs no Facebook e
youtube. “Como pão para a boca” é uma rubrica que pretende oferecer um momento de satisfação àqueles que estão privados do acesso às bibliotecas e aos outros espaços culturais, mantendo a “padaria” aberta pelo menos enquanto houver confinamento.


Como surgiu esta ideia e quais os objetivos da mesma?  
Na verdade, surgiu há uns três anos, quando comecei a idealizar o meu primeiro espetáculo de poesia a solo. E quando ele estava quase pronto para lançar, há um ano atrás, veio o confinamento, os noticiários só com notícias covid e a minha vontade de oferecer às pessoas uma dose diária de cultura que lhes abrisse também uma janela de esperança. Nasceu assim o “Antivírus”, iniciativa do Município de Tomar que contou com muitos dos nossos melhores músicos, actores, artistas e gente das coletividades. Um ano depois, juntou-se a essa mesma vontade uma necessidade imperiosa de fazer aquilo de que gosto tanto como escrever: ler para os outros. 
 
Porque se chama “Como pão para a boca”?  
Ao contrário de Tomar, em que iniciativas como o “Antivírus” e o “Tomar ComVida” deram um sinal claro de que a cultura continuava a ser encarada pelos poderes públicos como um bem de primeira necessidade, no panorama nacional nem sempre houve essa perceção, com os livros em particular a serem confundidos com mercadorias genéricas. Por isso, achei que as pessoas
precisavam de poesia como de pão para a boca. Um título que se presta ele próprio a uma vasta imagética, começando pela ideia de que podemos deixar o saco do pão à porta todas as manhãs (nas nossas redes sociais) e receber ali um mimo diário. 
 
– Leia a entrevista completa na edição que vai para as bancas a 1 de abril

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -

Últimas

Creactivity Bus em Tomar de 10 a 14 de maio

O Creactivity Bus é uma iniciativa da Educaixa (parceria do BPI e Fundação "la Caixa") e vai...

Lurdes Ferromau Fernandes: “Sinto necessidade de dar o meu contributo para mudar o paradigma do que se quer para Tomar”

Esta semana, o Jornal e Rádio "Cidade de Tomar" falaram com a candidata do PSD à Câmara Municipal de Tomar, Lurdes Ferromau...

Reativada a recolha de papel e cartão no concelho

Já foi reativada a recolha de papel e cartão em todos os restaurantes, hotelaria e comércio do concelho, por parte da RSTJ.

Ténis Clube de Tomar concluiu as competições na fase regional de Interclubes

O Ténis Clube de Tomar realizou, no passado fim de semana, três encontros com as suas equipas de Interclubes. Na sexta feira,...

“O rosto dum povo | A luz de Tomar” de Tó Carvalho evidencia Rio Nabão e mundo rural português

Foi inaugurada a 26 de abril, no âmbito do Projeto Cultural de Escola, o Plano Nacional das Artes,...
- Advertisement -

Mais notícias

- Advertisement -