fbpx
28.7 C
Tomar

CHMT: Serviço de Medicina Intensiva tem equipamento de monitorização único no país

Relacionadas

Câmara aprova voto de pesar a Alda Faria

O vereador do PSD na Câmara de Tomar, Francisco Madureira apresentou na reunião de câmara desta segunda-feira,...

Tomar: registados 6 casos positivos de Covid-19 num aviário, 84 trabalhadores vão ser testados

A presidente da Câmara de Tomar, Anabela Freitas (PS) anunciou na reunião de câmara desta segunda-feira, 3...

Pronta ação da patrulha da GNR de Tomar evita tragédia

Uma mulher de 54 anos tentou colocar termo à vida, na madrugada de...

Despedimento coletivo na IFM/Platex preocupa eleitos de Tomar

A IFM/Platex - Indústria de Fibras de Madeira, S.A. em Tomar avançou, na...

Protocolos da Secretaria de Estado das Comunidades formalizam gabinetes de apoio ao emigrante no Médio Tejo

Dezoito anos depois de terem sido criados pelo Secretário de Estado das Comunidades...

O Serviço de Medicina Intensiva do Centro Hospitalar do Médio Tejo recebeu um equipamento de monitorização, com tecnologia de vanguarda, único no país. Trata-se de um aparelho, denominado HemoSphere, que com recurso a inteligência artificial,  através de um algoritmo, faz a interpretação de dados recolhidos nos doentes críticos, permitindo antecipar procedimentos para reverter eventuais alterações da situação clínica dos referidos doentes.

Esta nova plataforma de monitorização avançada, ao permitir antecipar momentos críticos, facilita a decisão dos profissionais de saúde face à situaçãoclínica do doente crítico. A diversidade de perfis e de configurações de cuidados e a medição dos parâmetros hemodinâmicos avançados, recolhidos e interpretados pela HemoSphere, ajudam à tomada de decisões pro-ativas em diversas situações clínicas que ajudam a estabilizar o doente.

Nuno Catorze, diretor do Serviço de Medicina Intensiva, do Centro Hospitalar do Médio Tejo, reconhece a vantagem deste equipamento na diferenciação do Serviço, que incrementa “a capacidade de monitorização hemodinamica, complementando os equipamentos já existentes, permitindo uma maior versatilidade e abrangência das competências da medicina intensiva, nomeadamente na neuromonitorização e Cardiovascular“. 

O diretor do Serviço de Medicina Intensiva afirma, ainda, que “a inteligência artificial permitirá, neste caso, aumentar a diferenciação técnica auxiliando na decisão clínica”. 

Nuno Catorze sublinha que “as novas tecnologias são um instrumento (ou um legado) fundamental na aprendizagem e ensino da medicina, nomeadamente em cuidados intensivos, o que trará mais valias à qualidade assistencial, apoiando os jovens médicos numa decisão mais acertada”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -
- Advertisement -

Últimas

Câmara aprova voto de pesar a Alda Faria

O vereador do PSD na Câmara de Tomar, Francisco Madureira apresentou na reunião de câmara desta segunda-feira,...

Tomar: registados 6 casos positivos de Covid-19 num aviário, 84 trabalhadores vão ser testados

A presidente da Câmara de Tomar, Anabela Freitas (PS) anunciou na reunião de câmara desta segunda-feira, 3...

Pronta ação da patrulha da GNR de Tomar evita tragédia

Uma mulher de 54 anos tentou colocar termo à vida, na madrugada de segunda-feira, 3 de agosto, atirando-se...

Despedimento coletivo na IFM/Platex preocupa eleitos de Tomar

A IFM/Platex - Indústria de Fibras de Madeira, S.A. em Tomar avançou, na passada semana, com o processo...

Protocolos da Secretaria de Estado das Comunidades formalizam gabinetes de apoio ao emigrante no Médio Tejo

Dezoito anos depois de terem sido criados pelo Secretário de Estado das Comunidades do PSD e agora deputado...

Chumbada na assembleia municipal moção “Tomar não é racista”

O tema do racismo foi recorrente na última sessão de assembleia municipal de Tomar, realizada a 31 de julho. Evocando as afirmações...
- Advertisement -

Mais notícias

- Advertisement -