fbpx
6.2 C
Tomar

É necessário impedir o Japão de lançar água contaminada no mar

Relacionadas

Alves Jana apresenta o seu novo livro “Anim’Antes – Estórias de animação em Abrantes”

No próximo sábado, dia 2 de março, pelas 17h00, na Junta de Freguesia do Pego, Alves Jana...

XXIV Encontro de Colecionadores: pacotes de açúcar dominaram uma vez mais as coleções

Decorreu, no sábado, dia 24 de fevereiro, na tenda do Mercado Municipal de Tomar, o XXIV Encontro...

EUA são o maior obstáculo ao fim do conflito em Gaza

Os Estados Unidos vetaram mais uma vez, no passado dia 20, um projeto de resolução apresentado pelo...

Abrantes: Serviço de Urgência de Ginecologia-Obstetrícia e Bloco de Partos encerrados até às 9h00 de segunda feira

O Serviço de Urgência de Ginecologia-Obstetrícia e Bloco de Partos da ULS Médio Tejo estão encerrados desde...

Maior prova da formação do hóquei em patins vai decorrer em Tomar

Tomar afirma-se cada vez mais como um dos destinos naturais para as grandes provas de hóquei em...

A decisão unilateral do governo japonês, anunciada em 2021, de descarregar no mar a água usada para arrefecer a central nuclear de Fukushima, tem merecido forte oposição dos países e regiões ao longo do Oceano Pacífico e das próprias associações de pescadores japoneses.

Sob fortes pressões, o governo japonês convidou a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) para realizar uma avaliação. Após dois anos de trabalho, a AIEA apresentou agora um relatório final. No entanto, o relatório não refletiu totalmente as opiniões de todos os especialistas envolvidos na avaliação, e as conclusões não foram aprovadas por unanimidade.

Haruhiko Terasawa, presidente da Associação das Pescas da província japonesa de Miyagi, após ter lido o relatório manifestou a sua preocupação, afirmando: “Isto não elimina a ansiedade das pessoas. Nós somos contra as descargas no mar!”. Tal como ele, muitos japoneses consideraram pouco convincente a afirmação do relatório de que o plano de descarga do Japão “cumpre as normas de segurança internacionais”. Também vários grupos da sociedade civil da Coreia do Sul salientaram que o relatório não pode ser um “escudo” para o Japão e que a descarga não pode ser “legitimada” por esse facto.

Esta situação está diretamente relacionada com as várias restrições impostas pelo Japão ao trabalho de avaliação da AIEA, o que deu origem a dúvidas generalizadas por parte da comunidade internacional.

Recorde-se que a AIEA tem como principal função promover a utilização segura e pacífica da tecnologia nuclear e não é o organismo adequado para avaliar o impacto a longo prazo da água contaminada por energia nuclear no ambiente marinho e na saúde biológica. Alguns analistas salientaram que, ao convidá-la para avaliar o plano de drenagem marítima, o governo japonês apenas pretendia o aval da agência, pelo que levou a cabo uma série de manobras.

Assim, restringiu a actividade da AIEA, permitindo-lhe apenas avaliar o plano de descarga no mar e não outras opções de eliminação, como a injeção estratigráfica, a emissão de vapor, a emissão de hidrogénio e o enterramento subterrâneo. Isto limitou o trabalho da AIEA, alterando o objetivo da análise. O propósito inicial era “encontrar a melhor solução para a Humanidade para o tratamento da água contaminada de Fukushima”, mas foi alterado para “a viabilidade das opções de descarga de água contaminada nuclear”.

Independentemente do relatório, o Japão não deve ser autorizado a despejar, nos próximos 30 anos, milhões de toneladas de água contaminada no Oceano Pacífico, pois essa atitude do Japão, a concretizar-se, transfere o risco da poluição nuclear para toda a Humanidade.

O Japão deverá, isso sim, examinar seriamente outras formas de lidar com o problema para além da descarga no mar, ouvir a opinião pública, respeitar a ciência, suspender o plano de descarga no mar, tratar a água contaminada por energia nuclear de forma científica, segura e transparente e aceitar uma supervisão internacional rigorosa.

Centro de Programas de Línguas da Europa e América Latina da China

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -

Últimas

Alves Jana apresenta o seu novo livro “Anim’Antes – Estórias de animação em Abrantes”

No próximo sábado, dia 2 de março, pelas 17h00, na Junta de Freguesia do Pego, Alves Jana...

XXIV Encontro de Colecionadores: pacotes de açúcar dominaram uma vez mais as coleções

Decorreu, no sábado, dia 24 de fevereiro, na tenda do Mercado Municipal de Tomar, o XXIV Encontro...

EUA são o maior obstáculo ao fim do conflito em Gaza

Os Estados Unidos vetaram mais uma vez, no passado dia 20, um projeto de resolução apresentado pelo Conselho de Segurança das Nações...

Abrantes: Serviço de Urgência de Ginecologia-Obstetrícia e Bloco de Partos encerrados até às 9h00 de segunda feira

O Serviço de Urgência de Ginecologia-Obstetrícia e Bloco de Partos da ULS Médio Tejo estão encerrados desde esta sexta feira (dia 23...

Maior prova da formação do hóquei em patins vai decorrer em Tomar

Tomar afirma-se cada vez mais como um dos destinos naturais para as grandes provas de hóquei em patins, numa aposta estratégica cujos...

Inaugurada a 2.ª edição do Tomar Game Festival no Complexo Cultural da Levada

Foi inaugurada, esta sexta feira, a 2.ª edição do Tomar Game Festival no Complexo Cultural da Levada, numa iniciativa da GAMEscola Portugal...
- Advertisement -

Mais notícias

- Advertisement -