fbpx
17.3 C
Tomar

“Trinta por uma linha” dinamiza atividades variadas para alavancar consciência ambiental coletiva

Relacionadas

Elsa Ribeiro Gonçalves
Elsa Ribeiro Gonçalves
Nasceu em Tomar em 1976. Licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social do IP Lisboa. É jornalista desde 2005, sempre na imprensa regional. Mãe de uma menina, a escrita e as viagens são as suas outras grandes paixões.

A “Trinta por uma linha” (30Por1Linha) é uma associação sociocultural e ambiental, sem fins lucrativos, criada em 2015, que defende as causas ambiental, social e cultural, pretendendo contribuir para o enriquecimento educativo das comunidades, para a promoção da cultura oral que se tem perdido ao longo dos anos, aliando a educação e a sensibilização ambiental para o público em geral. Fomos conhecer melhor sobre o seu trabalho, visível em várias iniciativas do Médio Tejo.


Jornal Cidade de Tomar – Como é que chegaram a esta associação?
Filipa Coelho – O meu nome é Filipa Coelho, neste momento sou a presidente a Associação e a “30por1linha” surgiu porque queríamos lutar por causas ambientais, sociais e culturais. Eu e uma amiga, após estarmos a trabalhar fora de Tomar, quisemos voltar às origens e criar uma associação em prol das causas que mais acreditamos. Eu, o João e o Hugo estamos mais ligados à
parte ambiental e a Sónia e a Teresa mais para os projetos socioculturais. E também temos outros amigos que se foram juntando e que fazem parte dos órgãos sociais. Em março fazemos 7 anos.

João Pires – Sou o João Pires, sou membro fundador da “30por1linha” a convite da Filipa e da Sónia e sou o tesoureiro, embora na associação façamos um trabalho em conjunto, e tem sido positivo.

O Hugo Ribeiro, está ao telefone a partir de Montemor-o-Novo e de quem também gostaria de saber o mesmo…
Hugo Ribeiro – Sou Hugo Ribeiro, pertenço à associação “30por1linha” desde 2019 embora conheça as pessoas do núcleo fundador há uma série de anos e identifiquei-me logo com o projeto. Fui convidado para entrar nos órgãos de direção e, desde 21019, tenho estado envolvido em algumas atividades com o
grupo.

Já se conheciam, já eram amigos…

Filipa Coelho – Sim, esta foi uma associação criada entre amigos. Houve um grupo que achou que fazia falta uma associação de cariz ambiental e sociocultural aqui na zona e então decidimos criar, e as pessoas que fazem parte dos órgãos sociais, fazem parte do nosso grupo de amigos. Claro que, entretanto, já se juntaram outras pessoas, como sócios.

Onde é que foram buscar este nome “30por1linha”?

Filipa Coelho – Na altura em que criamos a associação muitos nomes começaram a surgir, e havia a vertente cultural, a vertente ambiental, cada um puxava a brasa à sua sardinha mas depois foram surgindo vários nomes e dissemos que também queríamos fazer trinta por uma linha e ficou esse nome, por ser um nome que fica na cabeça e porque abrangemos várias áreas.

  • Leia a entrevista completa na edição que já está nas bancas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisement -

Últimas

Investidores internacionais confiam no mercado chinês

As autoridades chinesas acabam de divulgar (no dia 17 de Junho corrente) o desempenho da economia daquele país no...

“Jardim de Luz” deu mais encanto noturno ao Mouchão

O Mouchão Parque em Tomar ganhou mais encanto na noite de sábado, 15 de junho, com a exibição de...
- Advertisement -

Mais notícias