fbpx
15.9 C
Tomar

Chumbo de candidaturas ao PARES provoca debate no executivo camarário

Relacionadas

Igreja de S. João Baptista: conclusão das obras adiada para o final de 2022

Foi aprovada, por unanimidade, na reunião de câmara, na segunda feira, a prorrogação do prazo para a...

Mais de cem pessoas na descida do Nabão em jangadas improvisadas

Foram 115 as pessoas que participaram, no passado domingo, dia 26 de junho, na 13.ª Descida do...

CIM do Médio Tejo marcou presença em Fátima na 10.ª edição dos workshops internacionais de Turismo Religioso

A convite da Associação Empresarial Ourém-Fátima (ACISO) e em colaboração com o Município de Ourém, a CIM...

Concurso “Dá-me uma tampa!” recolhe 1067 garrafões de tampinhas

A turma A do 11.º ano da ESSMO dinamizou um projeto ao longo do ano letivo que...
Elsa Ribeiro Gonçalves
Nasceu em Tomar em 1976. Licenciada em Jornalismo pela Escola Superior de Comunicação Social do IP Lisboa. É jornalista desde 2005, sempre na imprensa regional. Mãe de uma menina, a escrita e as viagens são as suas outras grandes paixões.

A circunstância de se terem registado nove chumbos nas dez candidaturas por parte de instituições e entidades tomarenses ao programa PARES 3.0 (Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais) lançado pelo Governo, gerou uma acesa discussão no executivo camarário, na última reunião do ano.  

O assunto foi levado pela vereadora do PSD, Lurdes Ferromau Fernandes, que responsabilizou a autarquia pela não aprovação das mesmas devido à falta de entrega de documentação pela câmara. “Este programa permitia o acesso a financiamento para alargamento de equipamentos sociais. As candidaturas das IPSS e entidades foram apresentadas há precisamente um ano, sendo que este programa era há muito ambicionado pelas entidades pois, através dele, podiam apresentar candidaturas para aumentar as vagas em lar e em outras respostas sociais, financiarem-se, criarem emprego, tendo garantido, simultaneamente, os acordos com a Segurança Social”, começou por referir.

A vereadora do PSD referiu ainda que para este desfecho “desastroso” contribuiu o atraso na aprovação do PDM em sede de Assembleia Municipal, já depois das eleições autárquicas, questionando em seguida, qual a oportunidade das mesmas se recandidatarem ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), num programa de apoio à nova geração de equipamentos e respostas sociais e cujo período de candidatura encerra a 22 de fevereiro, onde volta a ser requisito para as candidaturas apresentarem documentação comprovativa de autorização ou licenciamento pela Câmara Municipal de Tomar relativamente às obras a realizar. Nesse sentido, Lurdes Ferromau Fernandes questionou quando será publicado o PDM em Diário da República e se ainda vai a tempo de permitir que as entidades se candidatem ao PRR.

Uma notícia para ler na íntegra na edição impressa de 7 de janeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -

Últimas

Igreja de S. João Baptista: conclusão das obras adiada para o final de 2022

Foi aprovada, por unanimidade, na reunião de câmara, na segunda feira, a prorrogação do prazo para a...

Mais de cem pessoas na descida do Nabão em jangadas improvisadas

Foram 115 as pessoas que participaram, no passado domingo, dia 26 de junho, na 13.ª Descida do Nabão em Jangadas Improvisadas, numa...

CIM do Médio Tejo marcou presença em Fátima na 10.ª edição dos workshops internacionais de Turismo Religioso

A convite da Associação Empresarial Ourém-Fátima (ACISO) e em colaboração com o Município de Ourém, a CIM do Médio Tejo esteve mais...

Concurso “Dá-me uma tampa!” recolhe 1067 garrafões de tampinhas

A turma A do 11.º ano da ESSMO dinamizou um projeto ao longo do ano letivo que visou recolher o máximo de...

13.ª Descida do Nabão em Jangadas Improvisadas é este domingo

A 13.ª Descida do Nabão em Jangadas Improvisadas é este domingo, dia 26 de junho, numa organização do Moto Organizadora de Competição...
- Advertisement -

Mais notícias

- Advertisement -