fbpx
15.9 C
Tomar

Um confinamento à 2021

Relacionadas

Igreja de S. João Baptista: conclusão das obras adiada para o final de 2022

Foi aprovada, por unanimidade, na reunião de câmara, na segunda feira, a prorrogação do prazo para a...

Mais de cem pessoas na descida do Nabão em jangadas improvisadas

Foram 115 as pessoas que participaram, no passado domingo, dia 26 de junho, na 13.ª Descida do...

CIM do Médio Tejo marcou presença em Fátima na 10.ª edição dos workshops internacionais de Turismo Religioso

A convite da Associação Empresarial Ourém-Fátima (ACISO) e em colaboração com o Município de Ourém, a CIM...

Concurso “Dá-me uma tampa!” recolhe 1067 garrafões de tampinhas

A turma A do 11.º ano da ESSMO dinamizou um projeto ao longo do ano letivo que...

O “Cidade de Tomar” recebeu este artigo de uma jovem/estudante tomarense sobre o fecho das escolas. Publicamos o texto na íntegra:

Há sensivelmente uma semana ouvi dizer que as escolas não fechavam para “não voltar a sacrificar a atual geração de estudantes”. Está é a opinião do nosso primeiro ministro.

Querido primeiro ministro, eu prefiro perder um ano de escola e puder voltar a ver a minha bisavó de 97 anos. Eu prefiro perder um ano de escola em nome do bem comum. Em nome de um futuro para o país e para o mundo.

Um confinamento com os estabelecimentos de ensino abertos não é um confinamento.

Para além dos alunos que têm independência para se deslocar à escola e voltar a casa, temos os alunos mais novos ou que moram fora da cidade. Nestes casos os pais também circulam pelas ruas.

Mas este não é o pior caso. Estes, na maioria das vezes, andam de carro. O pior são os pais que não têm carro e precisam de levar e trazer as crianças mais novas à escola. Isto e as filas para os entregar/esperar à porta da escola como observo na minha cidade.

E não esquecendo, ainda no caso dos alunos que não têm uma casa na cidade, onde ir almoçar, e têm aulas de manhã e de tarde. Onde passam as horas de almoço estes? Vão buscar um take-away e almoçam pelas ruas? Nem uma mesa onde se sentar têm.

Já para não falar nos transportes públicos que muitos alunos precisam de apanhar para se deslocarem até à escola.

Eu sou uma menina privilegiada nesta quarentena. Vivo a 10 minutos, a pé, da escola. Posso vir comer todos os dias a casa sem qualquer problema. Mas no início da pandemia eu vivia a 12km da escola, e necessitava de almoçar pela cidade. Felizmente para mim, nessa altura as entidades de saúde e os responsáveis pela gerência do país tiverem mais discernimento e mandaram-nos confinar. Confinar a todos. Sem exclusões. Porque aquilo que vivemos agora está longe de ser um confinamento.

Inês de Oliveira Branco, 18 anos, Tomar

Foto: DN

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -

Últimas

Igreja de S. João Baptista: conclusão das obras adiada para o final de 2022

Foi aprovada, por unanimidade, na reunião de câmara, na segunda feira, a prorrogação do prazo para a...

Mais de cem pessoas na descida do Nabão em jangadas improvisadas

Foram 115 as pessoas que participaram, no passado domingo, dia 26 de junho, na 13.ª Descida do Nabão em Jangadas Improvisadas, numa...

CIM do Médio Tejo marcou presença em Fátima na 10.ª edição dos workshops internacionais de Turismo Religioso

A convite da Associação Empresarial Ourém-Fátima (ACISO) e em colaboração com o Município de Ourém, a CIM do Médio Tejo esteve mais...

Concurso “Dá-me uma tampa!” recolhe 1067 garrafões de tampinhas

A turma A do 11.º ano da ESSMO dinamizou um projeto ao longo do ano letivo que visou recolher o máximo de...

13.ª Descida do Nabão em Jangadas Improvisadas é este domingo

A 13.ª Descida do Nabão em Jangadas Improvisadas é este domingo, dia 26 de junho, numa organização do Moto Organizadora de Competição...
- Advertisement -

Mais notícias

- Advertisement -