RSS Facebook  Twitter 
Pesquisar   

 

32º Concerto de Reis – Coro Misto Canto Firme a 6 de janeiro
Redação | 2018-01-03 15:34:33
Cartaz do evento
  • O Coro Misto da Canto Firme realiza este ano o 32º Concerto de Reis, que terá lugar no sábado, 6 de Janeiro, pelas 16h00, na Igreja de São João Baptista, na cidade de Tomar, e que encerrará o Ciclo de Concertos Cantar Natal 2017, numa organização da Canto Firme de Tomar Associação de Cultura e o Município de Tomar.
A Depois de um período de estudo e montagem de repertório, chegou a hora de cumprir um hábito com mais de trinta anos que é a de realizar o habitual concerto de reis, no respeito pela tradição popular tomarense de se cantar, de porta à porta, até ao último dia de Natal - o dia de Reis, juntando tal tradição com a tradição erudita e litúrgica na preparação de um programa musical temático. Este ano a peça “paradigmática”, pelo poder simbólico na quadra, por ser uma primeira audição do coro e pelos meios envolventes, será um “Magnificat” para Coro e Orquestra da autoria de Domenico Cimarosa, compositor contemporâneo de Mozart, cuja linguagem vocal se aproxima do estilo do génio de Salzburgo. O programa deste ano inicia-se com uma secção de música a capella escrita entre o século XIV e o século XVI, com manuscritos de Montepellier, do Mosteiro de Monserrat e do cancioneiro de Upsala, a que se seguem compositores contemporâneos portugueses como Fernando Lopes-Graça de quem apresentam canções da I Cantata de Natal, a que segue Eurico Carrapatoso de quem se apresenta um Kyrie e um Agnus Dei da Missa Sine Domine do século XXI. O Coro de vozes brancas interpretará três pequenas canções com acompanhamento de piano a que se segue a parte coral/ sinfónica, onde se visitará a época clássica com o Ave-Verum de Mozart e o “Magnificat” de Domenico Cimarosa, passando diretamente para o século XXI inglês com dois hinos de John Rutter e terminando o concerto, como também manda a tradição, com a peça de Natal para coros, orquestra e público, escrita propositadamente por um anónimo do século XXI.














Comentários