fbpx
15.8 C
Tomar

Salvador Franco: o menino que gosta de escrever e de ajudar os outros

Relacionadas

Agrupamento de Escolas Templários recebe projeto “Fuga” de Rita Gaspar Vieira

O projeto “Fuga”, de Rita Gaspar Vieira, foi inaugurado, na segunda feira, dia 17 de janeiro, na...

Casais que fizerem compras no Mercado Municipal habilitam-se a jantares para o Dia dos namorados

O Município de Tomar encontra-se a promover uma campanha, no âmbito do seu...

Candidatos do PS visitam Complexo Cultural da Levada

Os candidatos do PS pelo círculo de Santarém às Legislativas de 30 de janeiro estiveram, no passado...

Posto de Turismo encerrado devido a casos de Covid-19

O posto municipal de Turismo, na Avenida Cândido Madureira, vai estar encerrado até ao dia 21 de...

Regresso do campeonato nacional: encontro de leões resultou… numa goleada!

Quase um mês depois do último jogo (triunfo por expressivo 0-23, na ilha de São Miguel, Açores,...
Ana Isabel Felício
Ana Isabel Felício
Comecei a trabalhar no Jornal Cidade de Tomar em 1999. Já lá vão uns anitos. Depois de sair da Universidade e de todas as dúvidas e dificuldades que surgem, foi-se construindo um caminho de experiência, com muitas situações, muitas pessoas, muitas aventuras e, claro, muito trabalho. Ao fim de todos estes anos, apesar de todos os percalços que a vida nos vai dando, cá estou, todos os dias a fazer o meu trabalho o melhor que sei, aprendendo com os que me rodeiam e também ensinando alguma coisa.

Salvador Franco tem 10 anos e já escreveu dois livros, o primeiro para homenagear a mãe que faleceu, depois veio o segundo e já tem um terceiro escrito. Todos os livros têm como objetivo ajudar alguém que, pelas circunstâncias da vida, precise. O Jornal/Rádio “Cidade de Tomar” falou com o Salvador e com o seu principal fã, o pai, Hélio Franco.

Cidade Tomar – Quem o Salvador Franco?

Salvador Franco – Tenho 10 anos, ando no 5.º ano e escrevi dois livros, “O Peixinho Chico” e “A Princesa Ana e o Cavaleiro Miguel”.

– E como é que surgiu o primeiro livro?

Surgiu porque a minha mãe teve cancro e morreu e eu quis escrever o livro para a homenagear, para ela se sentir bem. Com esse livro, a maior parte do dinheiro foi para a Operação Nariz Vermelho, uma organização voluntária que conheci através da minha mãe. A minha estava internada e os palhaços vieram brincar comigo. Aí percebi que eles não animavam só as crianças internadas, mas também os adultos e acompanhantes.

Com o pai, Hélio Franco

– Então e de que fala o primeiro livro, “O Peixinho Chico”? E quem te inspirou para esta história?

É um peixe que está num aquário. Primeiro são oito peixes, depois passam a nove, mas o Chico é diferente, é vermelho e pequenino e os outros são azuis e grandes. O Chico sofre de bullying até que aparece um peixe maior e preto que se torna seu amigo. A inspiração veio de uma pessoa. Em Ferreira do Zêzere há um café, onde costumo ir, e onde o dono se chama Chico. Depois, escolhi a personagem do peixe porque sempre gostei do mar e uma das profissões que gostava de ser era biólogo marinho ou mergulhador.

– E com este livro, quanto é que conseguiste para a Operação Nariz Vermelho?

Consegui 2044 euros, eles não têm ajuda e, por isso, eu quis ajudá-los.

(…)

Ana Isbel Felício/Elsa Lourenço

Uma entrevista para ler na íntegra na edição impressa de 3 de dezembro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -

Últimas

Agrupamento de Escolas Templários recebe projeto “Fuga” de Rita Gaspar Vieira

O projeto “Fuga”, de Rita Gaspar Vieira, foi inaugurado, na segunda feira, dia 17 de janeiro, na...

Casais que fizerem compras no Mercado Municipal habilitam-se a jantares para o Dia dos namorados

O Município de Tomar encontra-se a promover uma campanha, no âmbito do seu...

Candidatos do PS visitam Complexo Cultural da Levada

Os candidatos do PS pelo círculo de Santarém às Legislativas de 30 de janeiro estiveram, no passado dia 14 de janeiro, em...

Posto de Turismo encerrado devido a casos de Covid-19

O posto municipal de Turismo, na Avenida Cândido Madureira, vai estar encerrado até ao dia 21 de janeiro, inclusive.

Regresso do campeonato nacional: encontro de leões resultou… numa goleada!

Quase um mês depois do último jogo (triunfo por expressivo 0-23, na ilha de São Miguel, Açores, frente ao Caldeiras, para os...

CDU em campanha por Tomar

A CDU decidiu que ao longo da pré-campanha devia estabelecer contactos com várias entidades do distrito de Santarém, e em Tomar considerou-se...
- Advertisement -

Mais notícias

- Advertisement -