fbpx
28 C
Tomar

“O barco vai de saída” de Dornes para o Museu da Marinha em Lisboa

Relacionadas

Santarém: 22 detidos em ações de fiscalização rodoviária

O Comando Territorial de Santarém levou a cabo, nos dia 14 e 15 de maio, um conjunto...

Nuno Júdice sábado na 9.ª Tertúlia de Poesia da Casa-Memória de Camões em Constância  

A Tertúlia de Poesia, iniciativa que funcionou de forma intermitente nos tempos mais recentes, devido às contingências...

“Essência – Ser Humanidade” envolve 4000 crianças e jovens na dinamização da cultura

Essência – Ser Humanidade: Semana Cultural, da Criança e do Ambiente, assim se...

PSD quer que se retire outdoor que anuncia o Tomar Check-in que terminou em setembro

O vereador Luís Francisco (PSD) questionou, na reunião do executivo, na segunda feira, acerca da permanência de...

De saída de Dornes onde foi construído de raiz pelo mestre José Alberto (o único construtor de barcos típicos do Zêzere) e com chegada simbólica à Doca do Bom Sucesso, em Lisboa, por duas etapas, uma feita por um barco igual de Dornes a Santarém e outra da simulação da chegada a Lisboa, o Museu da Marinha passou a albergar no seu valioso espólio marítimo a primeira embarcação típica de um rio, que nascendo na Serra da Estrela, abraça o Tejo, em Constância, e nas suas águas, desde tempos imemoriais, qual “cacilheiro do Tejo” circulam barcos “3 tábuas” que serve para ir à pesca, recreio e transporte de pessoas bens e animais. 

A doação foi feita pela Câmara de Ferreira, que encomendou um barco novo ao mestre Zé, depois da Associação de Marinheiros de Ferreira, numa visita ao Museu ter pensado e lançado o convite à câmara que por sua vez junto da Marinha de Guerra Portuguesa encetou contactos, para este Museu vir a ter no seu espólio um barco típico, junto de barcos de várias regiões do país, como barco da Nazaré, o Moliceiro de Aveiro, o baleeiro dos Açores e de outras regiões e barcos reais – as galeotas. 

A cerimónia, presidida pelo diretor da Comissão Cultural da Marinha – Almirante Garcia Belo e pelo diretor do Museu da Marinha Comodoro – Croca Favinha, teve lugar  no dia 22 de maio (dois dias depois do Dia da Marinha) e nela participaram membros da referida associação, autarcas de Ferreira do Zêzere e o mestre construtor, que depois de ter feito barcos há mais de 30 anos, e que hoje poucos compradores tem, jamais imaginaria que um barco saído das suas oficinas viesse a ficar em exposição permanente num museu que tem milhares de visitas de estrangeiros, amantes do mar, estudiosos, alunos e turistas nacionais.

Notícia completa na edição impressa de 28 de maio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -

Últimas

Santarém: 22 detidos em ações de fiscalização rodoviária

O Comando Territorial de Santarém levou a cabo, nos dia 14 e 15 de maio, um conjunto...

Nuno Júdice sábado na 9.ª Tertúlia de Poesia da Casa-Memória de Camões em Constância  

A Tertúlia de Poesia, iniciativa que funcionou de forma intermitente nos tempos mais recentes, devido às contingências...

“Essência – Ser Humanidade” envolve 4000 crianças e jovens na dinamização da cultura

Essência – Ser Humanidade: Semana Cultural, da Criança e do Ambiente, assim se denomina a atividade que, integrando...

Lanternas flutuantes encantam Rio Nabão durante dois dias e trazem nenúfares para embelezar mais o evento

Foram os próprios alunos das várias turmas do 6.º ano Lanternas flutuantes encantam Rio...

PSD quer que se retire outdoor que anuncia o Tomar Check-in que terminou em setembro

O vereador Luís Francisco (PSD) questionou, na reunião do executivo, na segunda feira, acerca da permanência de outdoor nas vias rápidas promovendo...

Vereadora Filipa Fernandes ameaçada por alguns vendedores da feira semanal

A câmara está a proceder a uma reestruturação na feira semanal, pelo que a partir de sexta feira, dia 20 de maio,...
- Advertisement -

Mais notícias

- Advertisement -