fbpx
14.8 C
Tomar

“O barco vai de saída” de Dornes para o Museu da Marinha em Lisboa

Relacionadas

Gualdim Pais: Ariana Louro vice-campeã nacional… por duas vezes!

Ariana Louro esteve a alto nível nos Campeonatos Nacionais de Juniores e Seniores de natação, que decorreram...

Comemorações dos 115 anos de Fernando Lopes-Graça entre 17 e 19 de dezembro

Decorrem, entre 17 e 19 de dezembro, em Tomar, as comemorações dos 115 anos de Fernando Lopes-Graça,...

Sabacheira sem médico na freguesia

Desde fins de novembro que a freguesia de Sabacheira não tem médico na sua extensão de saúde,...

Manifestação hoje na Escola Santa Iria contra centro de vacinação

Alunos e professores da Escola Santa Iria de Tomar vão manifestar-se, esta sexta feira, dia 3, às...

Hospitais do Médio Tejo abrem laboratórios à população para realização de testes à Covid-19

O Centro Hospitalar Médio Tejo vai abrir, a partir de 6 de dezembro, os seus Serviços de...

De saída de Dornes onde foi construído de raiz pelo mestre José Alberto (o único construtor de barcos típicos do Zêzere) e com chegada simbólica à Doca do Bom Sucesso, em Lisboa, por duas etapas, uma feita por um barco igual de Dornes a Santarém e outra da simulação da chegada a Lisboa, o Museu da Marinha passou a albergar no seu valioso espólio marítimo a primeira embarcação típica de um rio, que nascendo na Serra da Estrela, abraça o Tejo, em Constância, e nas suas águas, desde tempos imemoriais, qual “cacilheiro do Tejo” circulam barcos “3 tábuas” que serve para ir à pesca, recreio e transporte de pessoas bens e animais. 

A doação foi feita pela Câmara de Ferreira, que encomendou um barco novo ao mestre Zé, depois da Associação de Marinheiros de Ferreira, numa visita ao Museu ter pensado e lançado o convite à câmara que por sua vez junto da Marinha de Guerra Portuguesa encetou contactos, para este Museu vir a ter no seu espólio um barco típico, junto de barcos de várias regiões do país, como barco da Nazaré, o Moliceiro de Aveiro, o baleeiro dos Açores e de outras regiões e barcos reais – as galeotas. 

A cerimónia, presidida pelo diretor da Comissão Cultural da Marinha – Almirante Garcia Belo e pelo diretor do Museu da Marinha Comodoro – Croca Favinha, teve lugar  no dia 22 de maio (dois dias depois do Dia da Marinha) e nela participaram membros da referida associação, autarcas de Ferreira do Zêzere e o mestre construtor, que depois de ter feito barcos há mais de 30 anos, e que hoje poucos compradores tem, jamais imaginaria que um barco saído das suas oficinas viesse a ficar em exposição permanente num museu que tem milhares de visitas de estrangeiros, amantes do mar, estudiosos, alunos e turistas nacionais.

Notícia completa na edição impressa de 28 de maio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -

Últimas

Gualdim Pais: Ariana Louro vice-campeã nacional… por duas vezes!

Ariana Louro esteve a alto nível nos Campeonatos Nacionais de Juniores e Seniores de natação, que decorreram...

Comemorações dos 115 anos de Fernando Lopes-Graça entre 17 e 19 de dezembro

Decorrem, entre 17 e 19 de dezembro, em Tomar, as comemorações dos 115 anos de Fernando Lopes-Graça,...

Sabacheira sem médico na freguesia

Desde fins de novembro que a freguesia de Sabacheira não tem médico na sua extensão de saúde, uma vez que a médica Maria...

Manifestação hoje na Escola Santa Iria contra centro de vacinação

Alunos e professores da Escola Santa Iria de Tomar vão manifestar-se, esta sexta feira, dia 3, às 18h30, contra a instalação do...

Hospitais do Médio Tejo abrem laboratórios à população para realização de testes à Covid-19

O Centro Hospitalar Médio Tejo vai abrir, a partir de 6 de dezembro, os seus Serviços de Patologia Clínica à população, e...

Junta de Freguesia de Asseiceira e a ACR de Santa Cita inauguram largo e homenageiam António Jacinto Ferreira

A Junta de Freguesia de Asseiceira e a ACR de Santa Cita inauguraram, no dia 1 de dezembro, o arranjo do largo da...
- Advertisement -

Mais notícias

- Advertisement -