Anabela Freitas: “Votem em projetos e tomem a melhor decisão a bem do concelho”

0

Anabela Freitas recandidata-se, pelo PS, ao terceiro mandato nas Autárquicas 2021.

Cidade Tomar – Vai avançar com a sua recandidatura… se vencer, o próximo mandato terá novidades ou será de continuidade?

Anabela Freitas – Se vencer, vamos continuar com a reabilitação de vários espaços, ou seja, vamos continuar a fazer obra, a maioria das quais, obras financiadas que obedecem a programas comunitários e que permitem apenas a reabilitação dentro da área urbana, o que não é muito correto, pois não se deveria olhar só para as cidades, mas para todo o território. Há mesmo um conjunto de freguesias que têm área de reabilitação, mas ficam de fora. Pretende-se uma política de coesão, mas que acaba por não promover a coesão. Por isso, vamos tentando equilibrar as intervenções dentro da cidade com as que são fora da mesma. Uma das alternativas, por exemplo no que se refere a estradas, é deixar as da cidade para trás para fazer fora do centro urbano, pois defendo que não deve ser a cidade a puxar as freguesias, mas as onze freguesias a puxar o concelho.

– E nesta tentativa de equilíbrio há quem critique afirmando que existem freguesias mais beneficiadas?

Segundo a lei 75/2013, através dos contratos inter-administrativos, a câmara delega nas freguesias competências suas, tais como limpeza de bermas, alcatroamentos, limpeza de sarjetas e sumidouros, entre outras. Na distribuição de apoios, utilizamos um critério que se baseia no número de habitantes, tendo alguns presidentes de junta afirmado não concordar com este critério. A descentralização de competências, antes estava alicerçada nos acordos de execução, mas agora as freguesias recebem a verba diretamente da DGAL. No âmbito da descentralização de competências já entram outros critérios como a área, a população, a perigosidade ao nível de incêndios, entre outros.

– Qual é para si a grande obra deste mandato?

Posso dizer que a requalificação da Várzea Grande enquanto porta de entrada em Tomar é um marco. Qualquer requalificação causa constrangimentos, mas dignificámos aquele espaço e criámos uma nova centralidade em Tomar. Há três espaços em Tomar em que apostamos na sua centralidade, a Praça da República, a Várzea Grande e a Praceta Raúl Lopes. Neste último espaço, temos já o projeto em execução, mas ainda não avançámos porque entendemos que merece uma discussão mais profunda, ou seja, a solução que foi encontrada ao nível do trânsito nesta zona tem de ser melhor estudada. Está também prevista a reabilitação do Colégio para instalação da Escola Profissional, criando-se ali um novo campus escolar, que também terá uma maior carga de trânsito e, portanto, o desenho que existe no projeto pode ser melhor compatibilizado com o trânsito. Quanto ao projeto da Escola Profissional, o projeto de execução ainda não está concluído. O que temos preparado é recorrer a um empréstimo bancário para efetuar essa obra.

(…)

Ana Isabel Felício/Elsa Lourenço

Entrevista para ler na íntegra na edição impressa de 14 de maio, amanhã nas bancas.

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Exit mobile version