fbpx
18.1 C
Tomar

Vereador Hélder Henriques: “Nestes últimos três anos estive sempre ciente que o meu trabalho estava permanentemente a ser avaliado”

Relacionadas

Vereadora Filipa Fernandes: “Tanto nos partidos como nas instituições, o importante são as equipas e as pessoas que as constituem”

Cidade Tomar - Em tempos de pandemia, quais têm sido as maiores dificuldades durante este mandato em...

Carta Arqueológica do Concelho é lançada domingo em Tomar

A Carta Arqueológica do Concelho, “As origens de Tomar”, da autoria de Carlos Batata e com edição...

CEFT – Centro de Estudos em Fotografia de Tomar apresenta Ciclo de Exposições em Fotografia e Território

O CEFT – Centro de Estudos em Fotografia de Tomar que resulta de uma parceria entre o...

Alunos do Agrupamento Nuno de Santa Maria agem hoje pelo futuro

“Agir Hoje… É Preparar o Futuro!” é o nome da iniciativa que o Agrupamento de Escolas Nuno...

RI15 promove Exercício Final do 9.º Curso de Formação Geral Comum de Praças do Exército

O Regimento de Infantaria 15 promove o Exercício Final do 9.º Curso de Formação Geral Comum de...
Ana Isabel Felício
Ana Isabel Felício
Comecei a trabalhar no Jornal Cidade de Tomar em 1999. Já lá vão uns anitos. Depois de sair da Universidade e de todas as dúvidas e dificuldades que surgem, foi-se construindo um caminho de experiência, com muitas situações, muitas pessoas, muitas aventuras e, claro, muito trabalho. Ao fim de todos estes anos, apesar de todos os percalços que a vida nos vai dando, cá estou, todos os dias a fazer o meu trabalho o melhor que sei, aprendendo com os que me rodeiam e também ensinando alguma coisa.

Cidade Tomar – Em tempos de pandemia, quais têm sido as maiores dificuldades durante este mandato em relação aos seus pelouros?

Hélder Henriques – Tenho os pelouros das Feiras e Mercados, Limpeza Urbanas Espaços Verdes e Jardins, Cemitérios, Parques de Estacionamento Tarifado, Equipamentos, Oficinas e Transportes. Há dois pelouros particularmente afetada com a situação da pandemia e que exigiram algumas adaptações a esta realidade – as Feiras e Mercados e os Cemitérios. Em relação às feiras e mercados foi necessário elaborar um Plano de Contingência para que o mercado diário se mantivesse aberto, assim como garantir a atividade da feira grossista e da feira semanal. Envolveu-se em permanência todo o pessoal afeto a Gabinete de Economia Local Mercados e Feiras de modo a garantir o cumprimento das normas de segurança impostas pela Direção Geral de Saúde – controlo de entradas, distribuição de máscaras, obrigatoriedade do uso de máscara e sua correta colocação, sensibilização para as distâncias recomendadas, instalação de dispensadores de álcool gel, lavagem e desinfeção de mãos, arejamento dos espaços, higienização e limpeza de áreas comuns. Em março de 2020 o mercado diário passou a funcionar apenas quatro dias por semana, cancelou-se a feira semanal e limitou-se a dois dias a feira grossista. De forma faseada foi-se retomando a feira semanal, reabriu-se mais um dia do mercado diário e alargou-se o número de clientes em simultâneo dentro do edifício, controlados por uma porta de entrada e duas de saída. Desde o dia 12 de junho de 2020 que o mercado diário, a feira grossista e a feira semanal regressaram à sua atividade normal, com as restrições impostas pela DGS. Neste momento e por força do Decreto n.º 2-B/2021, de 14 de janeiro (do Decreto n.º 3-A/2021 de 14 de janeiro) , ficaram suspensas as atividades de comércio a retalho, com exceção daquelas que disponibilizem bens de primeira necessidade ou outros bens considerados essenciais na presente conjuntura. Assim entendeu-se suspender, até nova avaliação, a feira semanal, manter em funcionamento o mercado diário, de terça a quinta-feira das 07h00 às 14h00 e às sextas feiras e sábado das 06h00 às 15h00 e manter também em funcionamento a feira grossista às terças e quintas feiras. A situação é reavaliada periodicamente, de acordo com a evolução epidemiológica no concelho e no país. O que por vezes nos custa é a não aceitação das normas por parte de alguns clientes, que entendem que todas as ações implementadas são caprichos nossos. Quanto aos cemitérios e de acordo com ao risco determinado para o nosso concelho em cada período avaliado, foi necessário determinar algumas condições para a realização de funerais e para as visitas àqueles espaços. Neste momento os cemitérios de Tomar encontram-se encerrados por tempo indeterminado, abrindo apenas para a realização de funerais. Na sua realização tem de estar garantida a inexistência de aglomerados de pessoas e o controlo das distâncias de segurança, estando fixado em 10 pessoas o limite máximo de presenças, incluindo familiares mais próximos que se devem manter a uma distância de pelo menos 2 metros, umas das outras. Também está proibida qualquer cerimónia religiosa nas capelas dos cemitérios. Todas as pessoas devem observar as medidas de distanciamento social, de higiene das mãos e de etiqueta respiratória, em todas as circunstâncias, assim como a adoção de medidas ainda mais restritas para proteção dos grupos mais vulneráveis (crianças, idosos, grávidas e pessoas com imunossupressão ou com doença crónica). Recomenda-se que as pessoas dos grupos mais vulneráveis, não participem nos funerais. Também estas determinações são reavaliadas periodicamente a exemplo das feiras e mercados.

A nível da Higiene e Limpeza, esta é uma área difícil de gerir. Quais as principais lacunas nesta área?

– A Unidade de Serviços Urbanos e Jardins empenha-se incondicionalmente nas duas áreas de responsabilidade de extrema importância para os tomarenses e para o ambiente – a limpeza urbana e os jardins e espaços verdes. Começo por dizer que há alguns constrangimentos que têm a ver com a média de idades e composição das equipas de limpeza urbana, com o absentismo devido a questões de saúde associadas à idade, a disponibilidade de equipamentos e viaturas e a sua idade, a área do concelho e o subdimensionamento dos serviços. Em relação às dificuldades, há que referir a deficiente cultura cívica da população relativamente às questões ambientais associadas ao tratamento e recolha de resíduos, o aumento da deposição irregular de resíduos nas zonas envolventes aos contentores, o aumento do volume de resíduos e das solicitações por parte da comunidade como consequência direta do confinamento, o alargamento das competências dos serviços a áreas que anteriormente pertenciam a outras entidades ou serviços, como por exemplo a recolha de monos e de resíduos leves ou a limpeza de terrenos municipais. No entanto, adotaram-se medidas que passaram pelo reforço do efetivo com a afetação de trabalhadores transitados da Tejo Ambiente (Ex-SMAS) para a câmara, a recuperação de equipamentos como por exemplo a varredora mecânica o que permitiu aumentar os circuitos de varredura e a área intervencionada, a implementação da recolha porta-a-porta de monos, a criação de um local de deposição e tratamento de resíduos verdes aberto à comunidade, localizado na Quinta de Marmelais, em Marmelais de Baixo, a colocação de um contentor para deposição de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) no Ecocentro de Santa Cita, destinado a pequenas obras domésticas que não careçam de licenciamento, a colocação de um equipamento de recolha de pilhas, lâmpadas e Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE) no parque de estacionamento coberto junto ao Estádio e Pavilhão Municipal, o estreitamento da colaboração entre as áreas da limpeza urbana e dos jardins, o reforço da colaboração entre os serviços e a Tejo Ambiente e RSTJ e a aquisição de equipamentos – trator.

Leia a entrevista na íntegra na edição impressa desta semana.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -

Últimas

Vereadora Filipa Fernandes: “Tanto nos partidos como nas instituições, o importante são as equipas e as pessoas que as constituem”

Cidade Tomar - Em tempos de pandemia, quais têm sido as maiores dificuldades durante este mandato em...

Carta Arqueológica do Concelho é lançada domingo em Tomar

A Carta Arqueológica do Concelho, “As origens de Tomar”, da autoria de Carlos Batata e com edição...

CEFT – Centro de Estudos em Fotografia de Tomar apresenta Ciclo de Exposições em Fotografia e Território

O CEFT – Centro de Estudos em Fotografia de Tomar que resulta de uma parceria entre o Instituto Politécnico de Tomar (IPT)...

Alunos do Agrupamento Nuno de Santa Maria agem hoje pelo futuro

“Agir Hoje… É Preparar o Futuro!” é o nome da iniciativa que o Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria vai desenvolver...

RI15 promove Exercício Final do 9.º Curso de Formação Geral Comum de Praças do Exército

O Regimento de Infantaria 15 promove o Exercício Final do 9.º Curso de Formação Geral Comum de Praças do Exército na área...

Francisco Sousa em 11.º lugar na primeira prova da Taça de Portugal de Downhill 2021

Francisco Sousa (Team Ribeirense DH) classificou-se em 11.º lugar na primeira prova pontuável para a Taça de Portugal de Downhill 2021 -...
- Advertisement -

Mais notícias

- Advertisement -