fbpx
20.8 C
Tomar

CHMT: Serviço de Medicina Intensiva tem equipamento de monitorização único no país

Relacionadas

Testes realizados a 86 funcionários de aviário em Tomar deram negativo

Cinco funcionários de um aviário em Tomar estão infetados com covid-19, disse esta sexta-feira à Lusa a...

Empresa tomarense instala a primeira Central Solar da Força Aérea para autoconsumo

A empresa tomarense TemplarLuz localizada em Santa Catarina – Venda Nova – foi...

EPAL adjudica construção de central hidroelétrica da ETA da Asseiceira

                    A EPAL avançou com um investimento de 5 milhões de euros na construção...

Novo single do músico Pedro Dyonysyo “O Ladrão” quer passar mensagem de combate às barreiras sociais

Pedro Dyonysyo, músico do Entroncamento, esteve nos estúdios da Rádio e Jornal “Cidade de...

O Serviço de Medicina Intensiva do Centro Hospitalar do Médio Tejo recebeu um equipamento de monitorização, com tecnologia de vanguarda, único no país. Trata-se de um aparelho, denominado HemoSphere, que com recurso a inteligência artificial,  através de um algoritmo, faz a interpretação de dados recolhidos nos doentes críticos, permitindo antecipar procedimentos para reverter eventuais alterações da situação clínica dos referidos doentes.

Esta nova plataforma de monitorização avançada, ao permitir antecipar momentos críticos, facilita a decisão dos profissionais de saúde face à situaçãoclínica do doente crítico. A diversidade de perfis e de configurações de cuidados e a medição dos parâmetros hemodinâmicos avançados, recolhidos e interpretados pela HemoSphere, ajudam à tomada de decisões pro-ativas em diversas situações clínicas que ajudam a estabilizar o doente.

Nuno Catorze, diretor do Serviço de Medicina Intensiva, do Centro Hospitalar do Médio Tejo, reconhece a vantagem deste equipamento na diferenciação do Serviço, que incrementa “a capacidade de monitorização hemodinamica, complementando os equipamentos já existentes, permitindo uma maior versatilidade e abrangência das competências da medicina intensiva, nomeadamente na neuromonitorização e Cardiovascular“. 

O diretor do Serviço de Medicina Intensiva afirma, ainda, que “a inteligência artificial permitirá, neste caso, aumentar a diferenciação técnica auxiliando na decisão clínica”. 

Nuno Catorze sublinha que “as novas tecnologias são um instrumento (ou um legado) fundamental na aprendizagem e ensino da medicina, nomeadamente em cuidados intensivos, o que trará mais valias à qualidade assistencial, apoiando os jovens médicos numa decisão mais acertada”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisement -
- Advertisement -

Últimas

Testes realizados a 86 funcionários de aviário em Tomar deram negativo

Cinco funcionários de um aviário em Tomar estão infetados com covid-19, disse esta sexta-feira à Lusa a...

Empresa tomarense instala a primeira Central Solar da Força Aérea para autoconsumo

A empresa tomarense TemplarLuz localizada em Santa Catarina – Venda Nova – foi a escolhida para instalar a...

EPAL adjudica construção de central hidroelétrica da ETA da Asseiceira

                    A EPAL avançou com um investimento de 5 milhões de euros na construção de uma central que permite...

Novo single do músico Pedro Dyonysyo “O Ladrão” quer passar mensagem de combate às barreiras sociais

Pedro Dyonysyo, músico do Entroncamento, esteve nos estúdios da Rádio e Jornal “Cidade de Tomar”, acompanhado pelo violinista Ricardo...

Câmara de Tomar avança com demolição de mais barracas no Flecheiro

A Câmara de Tomar avançou, na quarta-feira, 5 de agosto, com a demolição de barracas no Acampamento do...
- Advertisement -

Mais notícias

- Advertisement -